Anatomia Humana

Anatomia Humana: plano de seção, delimitação, divisão do corpo humano e anatomia sistêmica do corpo humano. Desfruta este artigo e tire suas dúvidas.

Anatomia Humana – Terminologia

Os termos anatômicos empregados neste livro são extraí dos do livro Terminologia Anatômica, utilizado no mundo inteiro segundo um acordo internacional. Este acordo facilitou muito o aprendizado da Anatomia humana porque ele padronizou a nomenclatura.

Antes dele, as mesmas estruturas do corpo humano recebiam nomes diferentes em cada país. Hoje não. Hoje, o osso do braço, por exemplo, é denominado úmero, seja no Brasil, no Uruguai ou mesmo no Japão.

Posição anatômica

Para estudar o corpo humano e anatomia humana, é necessário basear-se em uma posição inicial, anatomicamente chamada de posição padrão. Essa posição deve ser visualizada mentalmente, pois serve de referência para descrever a localização das estruturas.

Por convenção, na posição anatômica inicial:

  • O corpo está ereto (em pé), com o olhar voltado para a frente;
  • A boca está fechada e os membros superiores (braço, antebraço e mão) estão próximos ao corpo, com a palma da mão voltada para a frente;
  • Os membros inferiores (coxa, perna e pé) estão próximos um do outro, com os pés unidos e levemente voltados para a lateral.

Planos de delimitação

O corpo humano na posição anatômica é enquadrado em um paralelogramo imaginário. As seis partes deste paralelogramo são classificadas, em relação ao nosso corpo, como planos de delimitação:

  • Plano anterior;
  • Plano posterior;
  • Plano lateral à esquerda;
  • Plano lateral à direita;
  • Plano superior;
  • Plano inferior.

Exemplos: O nariz é do plano anterior; a orelha é do plano lateral; o calcanhar é uma estrutura posterior, etc.

Planos de secção

Além dos planos de delimitação, existem, para auxiliar o estudo do corpo humano, os planos de secção (corte). O corpo humano é cortado em diferentes planos para nos permitir observar suas estruturas internas.

Todos os planos de secção cortam o corpo humano em duas partes e eles podem ser: transversal, coronal ou sagital.

  • O plano transversal divide o corpo humano em parte superior e parte inferior;
  • O plano coronal corta o corpo humano em partes anterior e posterior;
  • O plano sagital corta o corpo humano em duas partes semelhantes: uma lateral à direita e outra lateral à esquerda.

Há uma linha imaginária que passa no centro do corpo humano, unindo o plano anterior ao posterior. Classificamos uma estrutura como mediana, se ela estiver bem próxima a essa linha imaginária.

Divisão do corpo humano

Na realidade, o corpo humano é um todo indivisível. Didaticamente, porém, nós o dividimos em partes para facilitar o seu estudo. Ele está dividido em cabeça, pescoço, tronco, membros superiores e membros inferiores e duas cinturas, uma superior e outra inferior.

O pescoço une a cabeça ao tronco. O tronco é formado pelo tórax e pelo abdome. Os membros superiores, compostos por braço, antebraço e mão, estão unidos ao tronco pelo cíngulo superior (clavícula e escápula); e os membros inferiores, compostos por coxa, perna e pé, se unem ao tronco pelo cíngulo inferior (osso do quadril).


Anatomia Humana – sistemas do corpo humano

O esqueleto humano adulto é formado por cerca de 206 ossos e cartilagens.

As funções do esqueleto são variadas: dar suporte para o corpo, fixar os músculos para produzir movimento, proteger órgãos internos.

Exemplos: o tórax protege o coração; e o crânio e o cérebro é para armazenar algumas substâncias como o cálcio e o fósforo.

Quanto à forma, os ossos podem ser longos, curtos, planos e irregulares.

Exemplos:

  • Ossos longos – ossos do braço (úmero), do antebraço (ulna e rádio), da coxa (fêmur) e da perna (tíbia e fíbula);
  • Ossos curtos – ossos da mão (carpo) e do pé (tarso);
  • Ossos planos – a escápula,
  • Ossos irregulares – as vértebras, pneumático, osso frontal e o maxilar.

Os ossos longos apresentam um corpo com duas extremidades denominadas de epífise e possuem, em seu interior, o canal medular, onde se aloja a medula óssea amarela, rica em tecido adiposo (gordura).

Durante a fase de crescimento é visível, nas extremidades dos ossos longos, o disco epifisário. Esse disco está relacionado ao crescimento longitudinal (em comprimento) do osso e é temporário no corpo humano, permanecendo, nos homens, até os 21 anos de idade e, nas mulheres, até os 18.

Os ossos são revestidos por uma membrana fibrosa – o periósteo – que se mantém por toda a vida do ser humano e está relacionado com a manutenção do osso e seu crescimento em espessura.


O nosso corpo humano tem aproximadamente 720 músculos.

Há três tipos de músculo: o estriado esquelético,o estriado cardíaco (coração)eos músculos lisos (vísceras).

O músculo estriado esquelético se encontra em maior número que os outros dois tipos. Ele é formado por um ventre e por tendão. O ventre, que é a parte carnosa, encurta-se; o tendão, que é a parte esbranquiçada, não se encurta. As extremidades do músculo estriado esquelético ficam unidas aos ossos e são elas que promovem o movimento, por meio de seu encurtamento, denominado contração muscular.

Quanto ao funcionamento, os músculos podem ter movimentos voluntários (acontecem de acordo com a nossa vontade) ou involuntários (independentemente de nossa vontade há movimentos). O movimento do músculo estriado esquelético é voluntário.

Já os movimentos do músculo estriado cardíaco e dos músculos lisos são involuntários.


Os ossos se unem por meio de ligamentos e cápsulas, que permitem, ou não, movimento entre as partes.

Dependendo do material que está entre os ossos, as articulações podem ser classificadas em três tipos:

  • Se for um material fibroso, a articulação é fibrosa e, neste caso, não há mobilidade; tal tipo de articulação é encontrado principalmente no crânio.
  • Se o material entre os ossos for cartilaginoso (cartilagem hialina), teremos articulação cartilaginosa, que apresenta um pequeno grau de movimento; este tipo de articulação é encontrado na coluna vertebral e no quadril.
  • Se o material entre os ossos for líquido (líquido sinovial), a articulação será classificada como sinovial; esta articulação, em que há grande grau de movimento, é encontrada em todas as partes do corpo humano.

A função do líquido sinovial é unir as partes ósseas e impedir o atrito entre elas.

Os músculos, os ossos e as articulações, em conjunto, constituem o sistema locomotor.


A unidade do sistema nervoso é o neurônio. Os neurônios, que respondem a estímulos elétricos, são as células responsáveis pela recepção e transmissão dos estímulos do meio (interno e externo), possibilitando ao organismo a execução de respostas adequadas para a manutenção da vida.

A comunicação entre as células do sistema nervoso é denominada de sinapse e pode ocorrer também entre um neurônio e uma célula muscular ou entre um neurônio e a célula glandular.

O sistema nervoso é dividido de acordo com a sua anatomia e função.

  • A divisão anatômica consiste no sistema nervoso central e no periférico.

  1. O sistema nervoso central compõe-se do encéfalo (cérebro, tronco encefálico e cerebelo) e da medula espinhal. O encéfalo se localiza no crânio e a medula espinhal, na coluna vertebral.
  2. O sistema nervoso periférico é formado por 31 pares de nervos espinhais, 12 pares de nervos cranianos, gânglios e terminações nervosas.
  • A divisão funcional compreende o sistema nervoso visceral e o sistema nervoso simpático.

  1. O sistema nervoso simpático está relacionado à sobrevivência, pois prepara o corpo humano para lutar ou fugir num momento de perigo.
  2. O sistema nervoso visceral atua também junto aos sistemas locomotor e parassimpático, o qual, relacionado com a obtenção de energia, atua junto ao sistema digestório.

A função do sistema respiratório é promover a troca de gases entre nosso corpo e o meio externo. Através do sistema respiratório, o oxigênio é trazido do meio externo para dentro do nosso corpo e utilizado para gerar energia.

A utilização do oxigênio pelos órgãos e tecidos do corpo humano gera gás carbônico, que é eliminado, pelo sistema respiratório, para o meio externo ao corpo humano.

Esse sistema é composto por nariz, cavidade nasal, faringe, traquéia, brônquios. Dos brônquios origina-se a árvore brônquica, cujas terminações formam o alvéolo pulmonar. É no alvéolo pulmonar que ocorre a troca gasosa entre o sistema respiratório e o sistema circulatório.

O principal músculo da respiração é o diafragma. Ele separa o tórax do abdome, promovendo, juntamente com os músculos intercostais (localizados entre as costelas), os movimentos respiratórios.


O sistema circulatório, também chamado de cardiovascular, é formado pelo coração (uma bomba muscular) e pelos vasos sangüíneos, compostos por artérias e veias. As artérias e veias formam uma vasta rede de tubos, de vários tipos e calibres, que põem em comunicação todas as partes do corpo.

A diferença entre artérias e veias é que as artérias saem do coração e as veias chegam ao coração.

O coração bombeia sangue para as artérias e as artérias conduzem o sangue para os diversos órgãos e tecidos do corpo humano. O sangue que sai do coração pelas artérias é rico em oxigênio (O2) e nutrientes, obtidos nos pulmões e no aparelho digestório.

As veias retiram dos órgãos e dos tecidos o sangue utilizado. Esse sangue, rico em gás carbônico (CO2) e resíduos, será conduzido para os pulmões e para os rins. Nos pulmões ele será oxigenado e, nos rins, será filtrado; depois disso, o sangue pode ser utilizado novamente.


O sistema linfático é constituído por vasos linfáticos, linfonodos, baço, medula óssea, timo e tonsilas.

Esse sistema auxilia o sistema circulatório, retirando, dos órgãos e tecidos, os resíduos que restam. Os resíduos retirados pelo sistema linfático são denominados de linfa. A linfa é conduzida por vasos linfáticos para estruturas denominadas de linfonodos, nas quais será filtrada para, depois, ser conduzida ao coração.

Além de auxiliar o sistema circulatório, o sistema linfático está envolvido com o sistema imunológico – sistema de defesa do corpo humano contra microorganismos geradores de doenças e degradação de células mortas.


O sistema digestório é formado pela boca, dentes, língua, glândulas salivares, faringe, esôfago, estômago, fígado, pâncreas, intestino delgado e intestino grosso.

A função desse sistema é transformar os alimentos encontrados no meio ambiente para que eles possam ser utilizados pelo nosso corpo e eliminar os resíduos sólidos que não foram absorvidos pelo corpo para o meio externo.

É na boca que ocorre a mastigação e, conseqüentemente, o trituramento do alimento. Após a ingestão (na faringe e no esôfago), começa a digestão (no estômago, fígado, pâncreas, intestino delgado) e, depois, a absorção de água e a formação das fezes (no intestino grosso).


O sistema urinário é formado por um par de rins, por um par de ureteres, pela bexiga e pela uretra.

Os rins filtram o sangue e produzem a urina (resíduo líquido). O par de ureteres conduz a urina para a bexiga, onde ela fica armazenada temporariamente. Da bexiga, a urina é conduzida, através da uretra, para o meio externo.


Composto por pênis, escroto (saco), epidídimo, ducto deferente, próstata, glândula seminal e uretra, o sistema genital masculino está relacionado com a reprodução da espécie e com o prazer sexual.

Com a excitação, o fluxo sangüíneo aumenta na região do pênis, fazendo com que ele fique erétil e, portanto, pronto para a relação sexual. O escroto (saco) guarda os testículos, responsáveis pela produção de espermatozóides e pelo hormônio testosterona.

O epidídimo armazena o espermatozóide e o ducto deferente o conduz em direção à próstata, onde, por meio da glândula seminal, ele recebe secreções que o nutrem e o tornam ágil. Da próstata, o espermatozóide segue para a uretra (a uretra é um órgão comum ao sistema urinário e ao sistema genital masculino).

Na uretra há uma glândula que secreta um líquido que torna viável a passagem do espermatozóide por ela. No órgão masculino, a uretra conduz o sêmen (conjunto formado pelo esperma e as secreções das glândulas) para o meio externo ao corpo ou para o sistema genital feminino.

O sistema genital feminino também está relacionado com a reprodução da espécie e com a geração de prazer. Esse sistema é formado por órgãos genitais internos e externos.

  • órgãos genitais internos: o útero, que tem a função de abrigar o feto durante toda a gestação; os ovários, que produzem óvulos e hormônios como o estrógeno; a tuba uterina, que capta o óvulo do ovário e a vagina, que tem a função de acoplar o pênis.
  • órgãos genitais externos: a vulva, representada pelos lábios maior e menor; o clitóris, órgão que tem a capacidade de ficar erétil e as glândulas anexas.

O sistema endócrino é formado por órgãos que produzem hormônios.

Os hormônios são secreções que, lançadas na corrente sangüínea, atuam em outras partes do organismo, controlando ou auxiliando a função dos órgãos. Os hormônios influenciam praticamente todas as funções dos demais sistemas corporais. Os órgãos que têm sua função controlada ou regulada por hormônios são denominados órgãos-alvo.

Freqüentemente, o sistema endócrino interage com o sistema nervoso, formando mecanismos reguladores bastante precisos. Isso acontece porque o sistema nervoso fornece ao sistema endócrino informações sobre o meio externo; com essas informações, o sistema endócrino regula internamente o organismo.

Fazem parte do sistema endócrino, as glândulas supra-renal, ovário, testículo, pâncreas, hipófise, pineal, tireóide e paratireóide.


O sistema nervoso coordena e integra os outros sistemas do corpo humano.

Para fazer isso, o sistema nervoso precisa ser informado, instante a instante, sobre as diversas modificações do meio interno e externo ao corpo humano. As informações relativas ao meio externo têm origem em órgãos específicos (exemplos: olho, orelha e pele).

O componente primário de qualquer órgão sensorial é o receptor.

Conclução:

Seja você aluno ou profissional, leia os outros artigos no nosso portal e tire suas dúvidas sobre Anatomia Humana e Corpo Humano. Link para medicina USP.

Anatomia Humana
5 (100%) 1 vote